fbpx

Renovação de Frota: possível saída contra os efeitos da pandemia

Um dos mais antigos pedidos da indústria automotiva pode finalmente se concretizar. Saiba mais sobre a renovação de frota em nosso blog.

O programa de renovação de frota para veículos pesados, medida que pode fomentar a recuperação econômica do setor automotivo, está sendo desenvolvido pelo Ministério da Economia e deve sair em breve.

O objetivo do projeto é realizar uma verdadeira reciclagem, estimulando a compra desses veículos e desestimulando a circulação de automóveis antigos e extremamente poluentes.

A promessa não é nova: empresas do setor pedem a implementação do programa há mais de 15 anos. Entretanto, com o cenário econômico causado pela disseminação da covid-19, a iniciativa parece cada dia mais real, com envolvimento ativo de órgãos públicos.

Por que realizar a renovação da frota?

Nos últimos seis anos, a média de idade da frota de caminhões de empresas foi de nove anos e sete meses para onze anos e sete meses, dados do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças). Já os caminhões de trabalhadores autônomos têm uma média de 17,9 anos.

Quanto maior for o número, pior é para o trânsito como um todo. Veículos mais antigos são mais poluentes, quebram mais e causam mais acidentes, como mostram as estatísticas abaixo.

Maior risco de acidentes

Especialistas estimam que o número de acidentes em rodovias causados por veículos antigos que não passaram por manutenção deve ser maior do que o registrado, cerca de 7%.

Isso porque descobrir um defeito no caminhão durante o acidente é complexo, e muitos dos registros acabam apontando imperícia do motorista.

Além de mais modernos, os veículos mais novos têm custos de operação e manutenção menores, o que estimula que seus proprietários estejam em dia com qualquer mudança necessária.

Mais poluição no meio ambiente

De acordo com estimativa do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), um único caminhão com mais de 30 anos polui o mesmo que 40 caminhões novos.

Além disso, um estudo da Universidade de São Paulo (USP) de 2018 afirmou que caminhões e ônibus são responsáveis por 50% da poluição na capital paulista, apesar de representarem só 5% de toda a frota.

Mais custo para todos os consumidores

Com caminhões muito antigos em circulação, o alto valor pago em manutenção e combustível reflete no preço do frete e, dependendo da empresa, do próprio produto transportado.

Além disso, sem nenhum incentivo para adquirir um modelo novo, o consumidor brasileiro tende a conservar os automóveis usados. O efeito é um aumento exponencial nos preços dos usados, realidade que pode ser observada com uma pesquisa rápida por anúncios online. Dessa forma, todos saem perdendo, principalmente o trânsito.

Como é o programa de renovação de frota esperado pelas montadoras?

O cenário ideal envolveria incentivos fiscais que estimulem a compra de novos veículos. Consumidores que quisessem devolver seus modelos antigos também poderiam ter vantagens como descontos ou mesmo o recebimento de um valor pela entrega (em caso de venda para siderúrgicas como sucata, por exemplo).

Além disso, para verdadeiramente desestimular a circulação da frota antiga, seria necessária uma mudança que impacte o orçamento do motorista, como o aumento do IPVA para veículos com determinada idade ou a exigência de vistoria mais constante.

Projeto piloto: Frota Verde

Para testar a implementação do programa, o governo desenvolveu um projeto piloto que está sendo aplicado em Santa Catarina, chamado “Frota Verde“.

No primeiro estágio, a ideia é que o governo do estado ofereça crédito presumido para que frotistas possam comprar outro veículo pesado com até dez anos de uso, além de descartar o modelo antigo para a sucata.

Ainda, há a previsão de ajustes nos impostos e na criação de condições melhores para o segmento. A longo prazo, a iniciativa deve incluir não só caminhões mas também ônibus, micro-ônibus e outros tipos de veículos rodoviários.

A meta é tirar mais de 100 mil veículos com mais de 30 anos de circulação das estradas do país. De acordo com as movimentações, logo teremos notícias da implementação da renovação de frota em mais estados.

*

A Metagal, líder no mercado de espelhos retrovisores e no desenvolvimento de câmeras para monitoramento veicular, é um exemplo da constante busca por inovação. Há mais de 50 anos no setor, a empresa investe pesado em pesquisas, capacitação de seus profissionais e novas tecnologias automotivas.

Sem comentários. Faça o primeiro comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *