fbpx

A nova placa do Mercosul já está em vigor. Saiba o que muda.

O novo modelo de placa do Mercosul passou a ser obrigatório no dia 31 de janeiro de 2020 e, segundo o Ministério da Infraestrutura, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) que não seguir, não conseguirá emplacar os veículos novos

A nova placa segue o mesmo padrão em todos os países que pertencem ao bloco: Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai (países membros); Bolívia, Chile, Colômbia, Peru, Equador, Venezuela, Guiana e Suriname (países associados). 

As novas placas já foram instituídas na Argentina e no Uruguai e estão em andamento no Brasil. Os próximos países a adotá-las serão o Paraguai e a Venezuela.

Porém, nem todos precisarão emplacar o veículo novamente, pois a nova placa do Mercosul será obrigatória em quatro situações: 1) no primeiro emplacamento; 2) na transferência de município (apenas uma vez); 3) na troca de categoria do veículo; 4) em caso de placa ilegível ou danificada. 

Nas outras situações, a troca da placa cinza pela do padrão do Mercosul não é obrigatória. Com isso, os carros com a atual placa cinza podem continuar assim até o fim da vida útil do veículo, ou até a deterioração dessa placa.

Curiosidade sobre o novo modelo de placa 

A principal diferença em relação às placas antigas é a inversão da quantidade de letras e números. Nas novas, são quatro letras e três números; nas antigas, eram três letras e quatro números. Portanto, com 26 opções de letras em quatro configurações, o número de combinações sobe para 450 milhões

De acordo com o relatório do Sindipeças, a frota brasileira deverá passar dos 60 milhões de veículos em 2020 na soma de automóveis, veículos comerciais leves, pesados e motos. Outra curiosidade: O tamanho das novas placas é o mesmo das antigas, tanto para automóveis quanto para motocicletas.

Regra para substituição da placa

Para quem for trocar a placa atual do veículo, o segundo algarismo será substituído por uma letra. Exemplo: AAA 1111 passará a ser AAA 1B11. Outro exemplo: XYZ 1234 passará a ser XYZ 1C34. 

Isso porque, cada segundo número da placa antiga corresponderá a uma letra, dessa forma:

Saiba como a nova placa do Mercosul foi planejada

O novo modelo permite mais de 450 milhões de combinações, o que, considerando o padrão de crescimento da frota de veículos no Brasil, pode levar mais de 100 anos para ser alcançado. A cor de fundo também foi alterada e passará a ser branca. 

Além disso, a mudança vai ocorrer na cor das letras e dos números para diferenciar o tipo de veículo: preta para carros de passeio, vermelha para os comerciais, azul para os oficiais, verde para veículos em teste, dourado para os automóveis diplomáticos e prata para veículos de colecionadores.

Todas as placas deverão ter um código de barras dinâmico (QR Code) com números de série e acesso às informações do banco de dados do fabricante do produto. O objetivo é controlar a produção, logística, estampagem e instalação das placas nos veículos, além da verificação de autenticidade.

A implantação da nova placa do Mercosul foi adiada algumas vezes

Desde que a discussão sobre a nova placa do Mercosul começou, a implantação no registro foi adiada seis vezes. A decisão foi anunciada em 2014, e a medida deveria ter entrado em vigor em janeiro de 2016, porém, disputas judiciais levaram ao adiamento da adoção da placa para 2017

Mais prazo foi dado para que os órgãos estaduais de trânsito tivessem a oportunidade de se adaptar ao novo modelo e credenciar as fabricantes das placas. Em 2020, depois de muitas idas e vindas, a nova lei entra em vigor.

A nova placa e as expectativas para o Brasil

As placas do Mercosul têm o nome do país no topo e, na lateral direita, a bandeira do estado e brasão da cidade onde o veículo está registrado. Inclusive, todos os estados brasileiros aderiram ao novo padrão.

“Atualmente são quase 5 milhões de veículos emplacados com a nova PIV (Placa de Identificação Veicular), ou seja, o governo federal estima que, até o fim de 2023, o Brasil já esteja com quase toda sua frota circulando com a nova placa do Mercosul”, informou a assessoria do Ministério da Infraestrutura.

*

A Metagal, líder no mercado de espelhos retrovisores e no desenvolvimento de câmeras para monitoramento veicular, é um exemplo da constante busca por inovação. Há mais de 50 anos no setor, a empresa investe pesado em pesquisas, capacitação de seus profissionais e novas tecnologias automotivas.

Sem comentários. Faça o primeiro comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *