fbpx

Fornecedores automotivos deixam a Argentina e vêm para o Brasil

A crescente onda de migração de fornecedores automotivos, que saem Argentina rumo ao Brasil, vem gerando várias questões. Saiba mais em nosso blog!

Recentemente, fornecedores automotivos como a Basf, a Axalta e a Saint-Gobain Sekurit, anunciaram o fechamento de suas fábricas na Argentina. O objetivo por trás dessas ações é concentrar os seus trabalhos no Brasil.

Por não ser um caso isolado, essa migração chamou a atenção de todos os atuantes no setor. Afinal, o que motivou a mudança em meio a uma crise mundial? Será que mais empresas da área seguirão pelo mesmo caminho?

Neste post, vamos conhecer um pouco mais sobre o cenário dos dois países e também da indústria automotiva para, assim, entender um pouco mais sobre esse acontecimento.

Falta de condições econômicas

O anúncio dessa troca de localidade, nos três casos citados, foram explicadas com a mesma justificativa: falta de condições financeiras.

Embora a Argentina já tenha passado por crises maiores e mais preocupantes, ela ainda vive um momento bastante tenso. Por exemplo, há pouco mais de 10 anos, um dólar equivalia a menos de quatro pesos. Hoje, é preciso reunir 71 pesos para chegar ao valor, indicando a desvalorização da moeda argentina.

Isso mostra que a situação dos fundos econômicos do país permanece sensível, o que explica a preocupação dos fornecedores automotivos.

Mesmo assim, a decisão é alarmante, principalmente para o atual presidente, Alberto Fernandez. Isso porque alguns acordos foram firmados há pouco mais de quatro anos, durante o mandato de Mauricio Macri.

E o Brasil? Como se encaixa nesse cenário?

A situação econômica do Brasil, embora também seja séria, não se mostra tão grave quanto na Argentina. Por isso, fornecedores automotivos sentem mais otimismo em relação ao mercado brasileiro para firmar suas fábricas em solo brasileiro.

Além disso, em novembro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro postou, em suas redes sociais, que várias empresas estavam sendo sondadas para fecharem negócio no país.

Isso inclui não somente a vinda de novos empreendimentos, mas também a troca da Argentina pelo Brasil. E é claro que a novidade publicada anunciava marcas do setor automobilístico, como a Honda e a MWM.

Embora a publicação tenha sido deletada por conta da repercussão negativa, ela também mostra que os empresários ainda se mostram confiantes para investir no País.

O futuro dos fornecedores automotivos

Não é possível prever, no momento atual, como os fornecedores automotivos se comportarão no futuro.

Vários critérios podem se modificar, já que a situação do mercado automotivo também se encontra instável. Ou seja, algo que é certeiro agora é capaz de se mostrar um problema daqui alguns meses, e vice-versa.

Sendo assim, o importante é analisar de perto, e com bastante atenção, o desempenho atual, tanto da economia brasileira e do mundo, quanto do setor automobilístico em si.

Dessa forma, é possível entender com mais clareza quais são os seus altos e baixos para, assim, saber como reagir às suas mudanças. E, em meio a tantas incertezas, um fato se destaca e se torna claro: a migração dos fornecedores automotivos acontece por motivações econômicas.

Por isso, é importante se empenhar na criação de estratégias que evidenciem os benefícios de firmar negócio com o Brasil. Assim, garantimos o investimento constante no país.

*

A Metagal, líder no mercado de espelhos retrovisores e no desenvolvimento de câmeras para monitoramento veicular, é um exemplo da constante busca por inovação. Há mais de 50 anos no setor, a empresa investe pesado em pesquisas, capacitação de seus profissionais e novas tecnologias automotivas.

Sem comentários. Faça o primeiro comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *