fbpx

Consumidor do setor automotivo: mudanças que a pandemia acelerou

Mudanças do consumidor automotivo

A pandemia obrigou a população a viver o isolamento social e, automaticamente, as pessoas começaram a repensar seus próprios hábitos. As mudanças nos padrões de consumo foram consequência, e isso também deve ter reflexos no setor automotivo

O primeiro mês do último trimestre de 2020 mostrou que o setor automotivo manteve sua recuperação. A produção de automóveis em outubro teve crescimento de 7,4% em relação a setembro, segundo a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores). Porém, se comparado ao mesmo mês em 2019, houve queda de 18%. 

Para recuperação completa do setor, empresas do segmento devem se preocupar em olhar para as tendências do consumidor. Alguns padrões já chamavam atenção, mas foram acelerados com a pandemia. Neste texto, trouxemos três deles. 

Preocupação com o meio ambiente

Uma das mudanças de comportamento do consumidor é a preocupação com o meio ambiente e os impactos de suas escolhas. 

Segundo pesquisa feita pela Ipsos com o Fórum Econômico Mundial, 89% dos brasileiros afirmaram que querem que o mundo mude significativamente e se torne mais sustentável e justo após a pandemia.

Isso também deve refletir no que as pessoas consomem. Segundo estudo divulgado pela Veja Insights, 70% dos brasileiros dizem que prestarão mais atenção aos impactos ambientais e sociais dos produtos que adquirem

Além de ir em busca por automóveis que garantam menos poluição do ar, por exemplo, os futuros compradores também vão pesquisar sobre as empresas do setor automotivo e ações que elas tomam para tornar o mundo melhor. 

Setor automotivo registra aumento de consumo em ambientes digitais

Mesmo quem ainda era mais conservador em relação a compras no ambiente digital – pensando em não sair de casa – teve que dar uma chance para essa nova realidade. 

A pesquisa Webshoppers, realizada pela Nielsen, mostrou que o e-commerce brasileiro registrou crescimento de 47% no primeiro semestre de 2020, o maior aumento dos últimos 20 anos.

Outra pesquisa, realizada pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) em parceria com o Movimento Compre&Confie, apontou que o e-commerce nacional faturou R$ 41,92 bilhões entre janeiro e agosto deste ano. Isso significa um aumento de 56,8% se comparado aos mesmos meses de 2019.

E se engana quem pensa que isso não foi notado também no setor automotivo. O marketplace Usadosbr bateu recorde de faturamento e teve crescimento de mais de 250% em apenas três meses durante a pandemia. 

Outro exemplo é a Carupi, startup brasileira que conecta vendedores e compradores de automóveis seminovos. A empresa cresceu oito vezes entre abril e julho de 2020. Ou seja, há uma busca pela compra de automóveis no ambiente digital e é hora das grandes empresas também olharem para isso. 

Setor automotivo e as mudanças na mobilidade urbana 

Já em maio de 2020, a Anfavea, em conjunto com a Webmotors, divulgou pesquisa sobre a intenção de compra de automóveis no cenário da Covid-19.

Entre os entrevistados que tinham a intenção de comprar um carro neste ano, 66% afirmaram que pretendem descartar a utilização do transporte público após a pandemia. Mesmo entre os que não tinham a intenção de realizar a compra, 56% também não quer voltar a utilizar esse tipo de locomoção. 

Uma pesquisa realizada pela empresa Moovit mostra um cenário um pouco diferente, mas que também chama atenção. No estudo, realizado em agosto de 2020, o transporte público foi apontado como principal opção para locomoção. Mesmo assim, para os próximos 6 meses, há uma expectativa de queda de 15% nessa preferência. 

É importante ressaltar ainda que, em todos os estados participantes, uma porcentagem significativa afirmou que faz essa escolha apenas por não ter outra opção. Utilizando São Paulo como exemplo, esse número chegou a 45%.

Também em São Paulo, entre aqueles que dizem preferir usar carro, quase metade colocam como motivo para usar carro o objetivo de se sentirem mais seguros após a pandemia.

A preocupação com a lotação dos transportes públicos tem impacto direto nesses resultados, já que aumentar a frota disponível é o desejo mais recorrente entre os entrevistados. 

Empresas do setor automotivo podem buscar ter mais atenção a esse cenário para criarem novas oportunidades, reforçando a segurança e conveniência que apenas um carro próprio pode oferecer. 

*

A Metagal, líder no mercado de espelhos retrovisores, sistemas de retrovisão e no desenvolvimento de câmeras para monitoramento veicular, é um exemplo da constante busca por inovação. Há mais de 50 anos no setor, a empresa investe pesado em pesquisas, capacitação de seus profissionais e novas tecnologias.

Sem comentários. Faça o primeiro comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *